09/01/2017

Suinocultura da Zona da Mata corresponde a 21% do plantel mineiro

Números foram levantados pela ABCS, em um estudo que mapeou a suinocultura brasileira

A Zona da Mata Mineira figura entre os mais influentes polos de suinocultura de Minas Gerais – e do Brasil. A constatação veio após a divulgação de um mapeamento da atividade no país, realizado pela Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS). O estudo verificou que a região concentra 21% do rebanho total de Minas Gerais – com um efetivo em cabeças de 1,08 milhão a 1,95 milhão.

 

Gráfico do Mapeamento da Suinocultura, pág 145

 

O relatório cita, ainda, que a Zona da Mata possui “longa tradição na suinocultura”, tendo o fortalecimento da região se iniciado na década de 80, com a “introdução de técnicas de nutrição, reprodução e manejo por produtores dos arredores do município de Ponte Nova”, o que possibilitou a produção em larga escala.

 

Destaca o relatório, “o desenvolvimento da atividade na região foi fomentado pela fundação de duas organizações, a Associação dos Suinocultores do Vale do Piranga (Assuvap) e a Cooperativa de Suinocultores de Ponte Nova e Região (Coosuiponte)”. Membros das entidades inauguraram, no ano 2000, o Frigorífico Industrial Vale do Piranga S/A, lançando a marca Saudali, que hoje tem capacidade de abate de 2 mil cabeças por dia, “e é responsável pela demanda de pequenos, médios e grandes produtores da região”.

 

O texto ainda apura que Minas Gerais possui mais de 273 mil matrizes – o que corresponde a 16% do plantel nacional. Estima-se que serão abatidas cerca de 4,6 milhões de cabeças em 2016, referente a 11% da produção no país. “Os números da produção mostram que o estado tem mantido relevância no cenário nacional”, avalia.

 

Segundo os dados levantados, a suinocultura brasileira registrou em 2015, o Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 62,57 bilhões e gera 126 mil empregos diretos e mais de 900 mil indiretos.  

 

O projeto de mapeamento da suinocultura é uma iniciativa da ABCS com apoio do Sebrae Nacional, em parceria com a Markestrat, empresa especializada em estudos de segmentos agroindustriais.  A pesquisa teve como base entrevistas com suinocultores, especialistas em produção, associações de classe e frigoríficos. O material completo está disponível para download e pode ser consultado aqui; ou clique na foto abaixo.

Fonte: Comunicação Assuvap