Metrite

Introdução:

Várias doenças específicas se associam com uma metrite ou uma endometrite. Essas doenças incluem brucelose, leptospirose, campilobacteriose e tricomoníase. Mas frequentemente, endometrite resulta de infecções inespecíficas.

O útero normal é um ambiente estéril, contrariamente a vagina que abriga muitos patógenos oportunistas que podem invadir o útero e desenvolver esta doença. Os principais momentos que podem ocorrer esta invasão são no do parto e acasalamento.

Sinais Clínicos:

Os sinais da infecção variam de exsudato purulento óbvio e persistente do útero e da vagina a flocos de exsudato no muco estral. Podem ocorrer alterações da consistência da urina e a frequência dos ciclos estrais (cios) podem estar normais, anormais ou inexistentes.

Diagnóstico:

A palpação retal do útero atualmente foi substituída pelas técnicas de ultrassom, pois esta apresenta maior assertividade no diagnóstico de infecções subclínicas. Outra ferramenta de grande acurácia é o uso de espéculos vaginais.

Prevenção/Controle

A vacinação contra os agentes infecciosos é o primeiro passo. Mas não menos importante é a necessidade de uma boa higiene em momentos críticos como a inseminação artificial e auxílios aos partos. Um bom manejo de pré-parto deve ser considerado a fim de evitar retenção de placentas.

Tratamento

O antibiótico mais utilizado é a oxitetraciclina de longa ação (Tetrabac® (Oxitetraciclina L.A)).

É importante ressaltar a importância do uso concomitante de prostaglandinas que atuam auxiliando a expulsão do conteúdo uterino e podem provocar o cio, caso haja um corpo lúteo presente, expulsando o conteúdo uterino.

Fontes:

  • Blood, D.C. e Rodostits O.M. 2002. Clínica Veterinária. 9ª Edição. Editora Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro, RJ.
  • Smith P. B. 2010. Medicina Interna de Grandes Animais. 4ª Edição. Editora Elsevier, Barcelona, Espanha.
  • Aiello S. E. 2001. Manual Merck de Veterinária. 8ª Edição. Editora Roca LTDA, São Paulo, SP.
  • Corrêa M. N.; González F.H.D.; Silva S.C. 2010.Transtornos Metabólicos Nos Animais Domésticos. Editora e Gráfica Universitária UFPEL, Pelotas, RS.
  • Grunert E. et al, 2005. Patologia e Clinica da Reproducao Dos Animais Mamíferos Domésticos – Ginecologia. Editora Varela. São Paulo, SP.

Produtos Relacionados: